Entrevista com Carlos Cardoso sobre blogs corporativos para MPEs

Os Blogs Corporativos são uma excelente oportunidade para as empresas se mostrarem, estabelecer vínculos de proximidade mais estreitos com seu público e se posicionar de maneira ativa na internet. No entanto, é preciso saber como orientá-los para, de fato, corroborarem para a otimização da imagem da marca.

Quando se tem um produto reconhecido no mercado ou uma marca como a Coca Cola, o universo de conteúdo já tende a despertar interesse. Mas, e quando se está lançando algo em escala regional; e quando ainda ninguém conhece seu negócio; ou, resumindo, e quando se é uma pequena empresa?

Tornar o Blog Corporativo interessante e relevante pode ser um grande desafio. Foi diante dessas questões que fomos entrevistar o blogueiro Carlos Cardoso que esteve recentemente no Blogando 2013, evento que tivemos a satisfação em apoiar. Ou melhor, quem o entrevistou foi Endrigo Campos, nosso redator.

endrigo-campos-carlos-cardoso-blogando2013

Endrigo Campos e Carlos Cardoso, blogueiro, editor do site MeioBit e autor do blog Contraditorium. Especializou-se em literatura técnica e lançou onze livros, alguns best sellers. É considerado um dos primeiros probloggers brasileiros e seu blog já foi considerado um dos 10 mais relevantes em todo o país.

ENDRIGO – Como você enxerga a utilização dos blogs pelas empresas?
CARLOS – O Blog Corporativo é muito mais complicado que um blog pessoal, primeiro porque você tem vários objetivos definidos, como vender produtos, manter uma boa imagem da marca, entre outros, segundo porque você tem todo um processo de aprovação que pode ir minando a originalidade do blog.

Quem vai ficar responsável pelo conteúdo precisa convencer a empresa que o meio não tem de ser formal, que é possível usar uma linguagem mais corriqueira – que é a linguagem da internet – para poder dialogar com todo mundo. Mas, em geral, o empresário está acostumado com aquele texto publicitário de release e acha que se não “falar” de uma forma mercadológica irá perder a seriedade, o que é uma besteira.

ENDRIGO – Como as empresas devem pensar em seu conteúdo?
CARLOS – Têm Blogs Corporativos ótimos, perfis corporativos no Twitter sensacionais, como o caso do Ponto Frio, que conta com gente que ganha pra tuitar promoções de graça, porque assim eles conseguem ter “aquele timming”.

É possível que um Blog Corporativo aproveite, por exemplo, uma notícia do dia e trabalha em cima dela ou porque a empresa tem uma ligação tangencial com aquela informação, ou porque ela atua diretamente com algo que está sendo abordado no contexto.

Outro exemplo: uma companhia que faz softwares de computação gráfica que são usados em Engenharia, Arquitetura de Cinema. Aí um de seus produtos foi utilizado pelos 10 últimos filmes ganhadores de Oscar de Efeitos Visuais. Porém, ao entrar no site da empresa você não vê  um “A” falando sobre o fato; ela não tenta usar aquilo para ganhar o grande público por achar que as pessoas não estão interessadas, quando, na verdade, estão, porque elas gostam de ver como são criados os efeitos.

Por outro lado, eu vi um post uma vez no blog da Oracle onde eles aproveitaram o merchandising que eles fizeram no Homem de Ferro 2 para criar toda uma história em quadrinhos, em animação, com as personagens da Marvel vindo parar no mundo real e uma delas indo estagiar dentro da própria Marvel, onde usava os softwares da Oracle e mostrava ao leitor como eles são usados para gerenciar o processo de quadrinhos.

Então, no fim das contas, a Oracle tinha conseguido fazer o cara passar horas vendo material sobre CRM, um assunto complicado, mas achando um barato. O desafio do Blog Corporativo passa por coisas como essas.

ENDRIGO – Na sua opinião Blogs Corporativos realmente funcionam para as MPEs?
CARLOS – Um dos blogs mais legais que eu já vi era de um taxista de São Paulo que blogava. A Bruna Sufistinha era uma micro empresa que blogava sobre o seu dia a dia. Não importa se a companhia é pequena ou não, todo mundo tem uma história para contar. A questão é saber como funciona essa história e como articulá-la.

“Ah, mas a empresa é muito chata. Ela faz entrega de água”. Não! O cara que faz as entregas também tem o que dizer, só é preciso captar essas informações e transformá-las em uma história. Não importa o tipo de empresa!

Por exemplo: quer coisa mais chata do que ser carroceiro e vender só coisas velhas? Pois é, no History Channel isso se chama Caçadores de Relíquias, e seus criadores estão milionários. São dois caras que buscam a história por trás de cada objetivo, de cada pessoa. Essa ideia é possível ser desenvolvida para qualquer negócio, basta saber vê-la.

Já havia pensado dessa maneira? Pois é, muito bacana! Agora é hora de pensar, criar e desenvolver um conteúdo original baseado em sua própria realidade, nas pessoas que trabalham para a sua empresa e em todo seu universo.

0
Categoria: Blog Corporativo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *